domingo, 18 de novembro de 2007

PENSAMENTOS DE UM ALUNO (PARTE 1)

Para não me aborrecer com as palavras do professor sobre que irei ficar sem nota se não fizer o trabalho, e poupar sua saliva, vou logo dizendo: “por mais que você me incentive, não vou fazer esse trabalho sobre fruticultura”.

Pra que enrolar o professor dizendo que não conseguiu fazer o trabalho por isso e tal? Podendo ser logo sincero que não quis fazer por que não deu vontade ou porque era muito chato. Ele com certeza irá parabenizá-lo por sua sinceridade.

Se eu sou convidado a ir para casa só porque não quero assistir o primeiro horário, por que não me deixa sair quando não quero assistir o quinto?

Só vou para a escola sem a farda quando necessito, não quando dá vontade.

Se eu sou tão lesado, retardado e doido como vocês falam, como posso fazer um trabalho?

Trabalho em grupo só na hora de fazer menino.

Até hoje a única coisa que me deixou sem falar nada na escola foi um livro chamado A DROGA DA OBEDIÊNCIA.

Não tenho amigos. Apenas conhecidos, e não confio em nenhum.

Não sei o que ele tem contra mim. Todas as minhas ações e expressões são observadas com atenção. Qualquer deslize, críticas destrutivas começam a cair sobre minha cabeça.

Gosto de ser gentil com todos, mas nem a metade é gentil comigo.

Pode me chamar de vagabundo e dizer que não quero nada com a vida. Mas não aceito você insinuar que sou desonesto.

Chato!? Essa é a minha melhor qualidade.

Comente com o Facebook:

Postar um comentário

compartilhe