quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Romeiros de Nova Cruz passando em Currais Novos

Marquinhos, Mestre Arnold e Léo Bode Roco saíram de Nova Cruz/RN com o objetivo de rodar 600km até J. do Norte/CE

Por John Paul

Terça-feira, 05 de janeiro, pra começar o ano de 2016 estamos sem Restaurante Popular, Os féla da puta anda roubando e quem paga o pato mais uma vez é o cidadão brasileiro. Já que acabou a bocada do 50tinha, o jeito era comprar uma quentinha. 

Quando Eu, minha namorada Mônica e meu pai (Zito) nos aproximamos do restaurante vejo 3 bicicletas cheias de bagagens na porta. Não tinha sombra de dúvida, eram cicloturistas e é certeza estarem indo pro Juazeiro.  Quando chegamos no restaurante, estão eles lá: Meste Arnoud (49 anos), Marquinhos (41 anos) e Léo Bode Roco (30 anos).

Rapidamente chamei pra conversa e acertei na mosca, de fato eles estavam indo para o Juazeiro do Norte. Eles saíram na segunda(4) de Nova Cruz/RN e a previsão de chegar em Juazeiro era no sábado(9) tinham a semana toda para cortar 600km de chão Até Currais Novos já tinham rodado 157km. A rota deles seria um pouco diferente da que fazemos de costume, ao invés de irem pela BR427, eles vão por Florânia e Patu para saírem em Cajazeiras/PB.

Mestre Arnoud (seu nome na Capoeira), com muita filosofia, era o mais conversador da turma,. Contou que desde 1988 faz romarias para a terra do Padin Ciço, porém, não lembro o certo quando ele foi de bicicleta pela primeira vez. 

Marquinhos, era o único que vinha em uma magrela, uma Caloi 10, já fez várias viagens para o Juazeiro e era o único da turma que tinha feito esta rota por Patu,

O terceiro da turma era o Leo Bode Rôco. Pesando 105kg e porte físico semelhante ao meu, além de ser o mais novo da turma, estava na sua primeira viagem para Juazeiro do Norte.

Bagagem do Mestre Arnold
Uma mochila amarrada no bagageiro com uma corda elástica uma forma simples de carregar a bagagem

Analisei a bagagem deles e era uma coisa básica, uma mochila amarrada no bagageiro com uma corda elástica. A bagagem do Mestre Arnold é a que mais chamava a atenção, tinha uma garrafa térmica de 2 litros e até um fogareiro a álcool e uma chaleira e pano pra fazer café "Eles querem cobrar 1 real num copinho de café nas estradas" argumentou o Mestre.

Eram por volta das 14h quando nos despedimos da turma. Eles estavam com planos de dormir em Florânia ou Jucurutu. 

Fico muito feliz quando tenho a sorte de encontrar cicloviajantes passando pela cidade, pois é certeza de uma boa conversa e troca de informações onde todo mundo sai ganhando.


John Paul, Marquinhos, Mestre Arnold e Zito


John Paul, Marquinhos, Léo Bode Roco e Zito

Comente com o Facebook:

Postar um comentário

compartilhe