quinta-feira, 16 de abril de 2015

15 de Abril: Dia da Imprudência




Por John Paul

neste dia 15 de Abril (quarta-feira) vários ciclistas Brasil a fora celebraram seu dia. Mas o que vi nesse dia foi a imprudência me chamando mais a atenção.

O que vi de motociclistas realizando conversões sem dar o mínimo de sinal possível. Já outros simplesmente esquecem de desligar a seta e eu fico feito um mongó esperando o veículo entrar na rua e não entra.

A noite fomos fazer um pedal em alusão ao nosso dia. Neste passeio também presenciamos imprudência. Primeiro quando passávamos na entrada do Bairro Silvio Bezerra um "motoqueiro", isso mesmo, falo no pé da letra: "Motoqueiro", esse danado queria entrar no Bairro e bem que ele podia reduzir, seguir atrás dos ciclistas para poder entrar no bairro. Mas se achando o melhor do mundo, esse "motoqueiro" invetou de passar no meio das bicicletas e quase trancou meu pai.

Outra situação foi no sinal da Sidy's. Vejo um senhor vindo a passos rápidos e atravessa a faixa de pedestres sem ver se vem algum veículo. Detalhe: sinal verde a nosso favor. Reduzi e quando me aproximava o senhor finalmente resolveu olhar se vinha veículo. Sorri para ele e disse "o sinal tá verde, se ligue rsrsr".

Agora a imprudência mais grave que vi nesse dia que me incentivou a escrever esse artigo foi o "semi-atropelamento que eu e minha namorada Mônica fomos vítimas no dia do Ciclista.

Subíamos a pé (eu empurrando a Burra Branca 2) pela Rua Cândido Dantas, quando uma viatura do GTO estava parada na esquina esperando carros passarem para entrar na Cândido Dantas. Como anda tinham vários carros passando então atravessamos pela frente a viatura. Sendo que os policiais que estavam no veículo só prestavam atenção para os carros que passavam e não para nós pedestres que atravessavam a rua.

Foi então que o motorista acelerou e danou o carro pra cima da gente, imprensando a perna de Mônica e eu fiquei batendo na lataria do carro e gritando, mas "os omi" parece que tavam moucos e só perceberam a presepada quando olharam pra frente.

Um dos policiais, creio que seja o chefe da guarnição, perguntou se machucou, Mônica responde que não. Eu ainda dei uns esparros "se ligue da próxima vez". Passado o susto, lá na frente ficamos fazendo piada do ocorrido "eae o que achou do seu primeiro atropelamento na vida?", nada como levar as coisas no bom humor para aliviar a tensão.

Com isso tudo que aconteceu só é de reforçar aquele ditado: Todo cuidado no Trânsito é pouco. Qualquer deslize você pode tirar a vida de alguém ou a até mesmo a própria.

Comente com o Facebook:

Postar um comentário

compartilhe